Saiba mais sobre a Febre Amarela

A Febre Amarela é uma doença do tipo infecciosa que é provocada por um vírus transmitido por mosquitos. Segundo a Organização Mundial da Saúde, a OMS, a Febre Amarela é uma doença que é mais comum em países da América do Sul e na África. Ao todo, são mais de 47 países que apresentaram registros de incidência da Febre Amarela em sua população. A seguir, saiba mais sobre a doença, seus sintomas a importância de receber a vacinação.

Primeiros casos de Febre Amarela no mundo

Pesquisas científicas mais recente sobre a Febre Amarela relatam que a doença teve origem na África, apesar de ter sido tardiamente registrada no continente. Apenas no ano de 1778, o primeiro caso de Febre Amarela na África foi registrado.

Em 1648, foram registrados casos semelhantes ao da Febre Amarela – uma doença que também causava vômitos de sangue em suas vítimas – no México, mas é impossível comprovar que, de fato, se tratavam de casos de Febre Amarela.

Em 1730, a primeira epidemia de Febre Amarela do mundo aconteceu, e foi no continente europeu. Os Estados Unidos também teve a sua população acometida com epidemias da doença nos séculos 17 e 19. Entre os anos de 1620 a 1900, foram registradas, ao todo, 83 epidemias de Febre Amarela no Caribe. Em Cuba, o vírus prosseguiu em atividade até o início do século 20.

Já no Brasil, os primeiros casos de Febre Amarela aconteceram em Pernambuco, no ano de 1685, encadeando uma epidemia que durou por uma década inteira. Foram dez anos de surto da doença no estado. Na mesma década, o estado da Bahia também teve sua população afetada pela doença. A primeira campanha brasileira de prevenção contra a doença aconteceu em 1691 e tinha o objetivo de colocar os pacientes da Febre Amarela em condições do isolamento social. As camas e as esteiras utilizadas por esses pacientes eram inteiramente queimadas.

Em 1885, começaram as especulações a respeito de a doença ser transmitida por uma espécie de mosquito, mas levou muito tempo até que essa hipótese fosse finalmente comprovada pela ciência.

Como a Febre Amarela é transmitida?

A Febre Amarela é transmitida pela picada dos mosquitos que estão infectados com a doença. Não é possível que uma pessoa que está com Febre Amarela transmita a doença para outra pessoa.

O micro-organismo que causa a Febre Amarela é o arbovírus, um tipo de vírus transmitido geralmente por insetos antrópodes, ou seja, que possuem o exoesqueleto rígido e vários apêndices articulares. Alguns exemplos de insetos antrópodes são os gafanhotos, as aranhas e os caranguejos. A doença recebeu o nome de Febre Amarela por conta do tom amarelado que os pacientes apresentam quando adquirem a infecção que evolui para a doença. Esse sintoma do aspecto amarelado é chamado de icterícia.

Desde 1942, o Brasil já não mais registra a incidência urbana da Febre Amarela. A última epidemia aconteceu há aproximada 90 anos, em 1929, no estado do Rio de Janeiro. Essa epidemia foi rapidamente controlada graças às campanhas de vacinação realizada nas cidades em que os casos estavam sendo registrados.

Uma nova epidemia é possível?

É claro que a infestação atual do mosquito transmissor tem feito que a ameaça da Febre Amarela esteja presente no nosso cotidiano. Porém, profissionais da saúde tem sido enfáticos em afirmar que uma nova epidemia depende da junção de fatores ecológicos e epidemiológicos, o que significa que seria preciso unir a presença de uma paciente infectado, em um período de alta viremia da infecção, em um local onde a presença do Aedes Aegypti seja forte.

Além disso, para ocorrer uma nova epidemia, o local precisa ter baixo número de pessoas vacinadas, o que nesse caso, representa uma população que não tem anticorpos para combater a doença. Por conta desses fatores, a ameaça de uma nova epidemia de Febre Amarela ainda não é objeto de preocupação dos especialistas na área de doenças infecciosas. Apesar disso, a vacinação deve ser um método de proteção para quem ainda não vacinado contra a doença ou se encontra em áreas de risco.